Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain

Esse filme pode não ser um filmaço. Pode ser romantico. Pode ser antigo. Pode ser atual. Esse filme pode tudo porque não é um filme. É uma fábula francesa. E tem um sabor sensorial que arrepia o espectador.
É um filme de cores, de gostos, de tato, de emoção. Sobre uma temática universal, a busca do amor e da felicidade.
O que vale num filme é ter idéias criativas e passá-las de alguma forma a quem assiste. Tal astúcia foi alcançada no Fabuloso Destino de Amelie Poulain de Jean Pierre Jeunet. Mas por outro lado, além do estilo leve e despretencioso do filme, há uma crítica ao way of breath parisiense. Sempre reclamando, sempre doentes, fechados, ranzinzas… E quer queira ou não é uma crítica à sociedade. Uma outra alfinetada nas convenções morais de nosso tempo. Não é Truffaut, é comédia.
Amélie é bem interpretada por Audrey Tautou que consegue ser magnificamente doce e pura sem ser boba, nem santinha demais, o que é raro de se ver. É como se ela fosse ‘na medida’. O diretor conseguiu a proeza de aproximar a personagem ao máximo do espectador. Quem não deseja encontrar uma pessoa que só queira nossa felicidade? Mas o mundo é muito chato para tal tipo de coisa, por isso Amélie evindeciou-se perante os demais.
Destaque para a viagem do gnomo do jardim do pai de Amélie ao redor do mundo. Hilária e, ao mesmo tempo, provocativa. A trilha sonora do Yann Tiersen irradia a atmosfera de Paris, porém chega a ser um tanto pegajosa. Um detalhe interessante é que a fotografia foi toda baseada na identidade visual das obras de
Juarez Machado, pintor catarinense.
Para alguns, a história pode não ser um prato cheio e denso de informações, pode parecer rasa como um pires e caricatural demais, mas mostra a vida de um diferente ângulo. O cinema americano está longe de expressar isso todo esse encantamento – pode até fazê-lo mas não de uma forma lírica como vimos em muitos filmes europeus, nos quais os diálogos e imagens estão cheios de verdade que beira a poesia. Amelie pode até não ser como alguns filmes franceses, mas não está fora disso.
Possui um final bastante óbvio, sendo o tipo de filme que faz com que a gente continue acreditando que viver sempre vale a pena… e que coisas boas sempre vão acontecer… ZzZzZz…Sentimentalóide? E daí? Puristas do início do século XX diriam que era o cinema mudo… que história é essa de colocar som? Depois seria o filme P&B em contraste com o novo filme colorido… depois filmes “sérios” x “sentimentalóides”… quem está certo? Ninguém… todos?
Rating: 4 e um chapéu de 5 vaqueiros perdidos no deserto

2 Comentários

Arquivado em amelie poulain, filme

2 Respostas para “Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain

  1. Dannypiu

    Indico também coisas belas e sujas e bem-me-quer, mal-me-quer.

    Vale a pena!

    0.o

  2. rayxchan

    Ouvi primeiro a trilha sonora pra depois ver o filme, comprei o DVD e achei que ia enjoar rápido~ mas no fim das contas já assisti mais de 5 vezes em uma semana, e não é falta do que fazer, é que a cada vez que vejo o filme percebo algo diferente. A fotografia e a trilha sonora me seduziram, Amelie consegue bater quase todos os filmes ‘americanos’ que eu já havia visto. EXCELENTE!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s