Na Corte do Rei Vermelho

Iniciando o blog na vertente progressivo do rock ‘n roll, comentarei sobre justamente o álbum de estréia de uma das bandas que mais marcou o gênero, o King Crimson.

O álbum In The Court of the Crimson King foi lançado no ano de 1969 pelo grupo inglês e é marcado pela fuga do blues-rock de Led Zeppelin e Jimi Hendrix e pela entrada na mistura do rock principalmente com elementos do jazz. Não pensem, logicamente, que encontrará pitadas de Coltrane e Miles Davis nesse álbum, e sim um som marcado pela experimentalidade e psicodelia.

A viagem começa com 21st Century Schizoid Man, uma música que inicia tudo com um toque mais pesado, que mais tarde seria retomado em outros álbuns do grupo, como Red e Lizard. É interessante notar também a influência jazzística, especialmente pelo ritmo de bateria alucinante e utilização de instrumentos fora da normalidade do rock. A segunda música, I Talk To The Wind faz um confortável impasse com a primeira, valorizando muito mais a suave voz de Greg Lake, num ritmo calmo e um tanto hipnótico. A música que vem em seguida, Epitaph é considerada por muitos a melhor do álbum e até a melhor do grupo, que já fez 14 álbuns. Essa composição é marcada pelo tempo lento marcado por uma bateria simples, aliado à grande utilização do teclado, resultando num som extremamente sentimental. A próxima, Moonchild é um tanto desvalorizada pelos fãs da banda, talvez por manter o pensamento da música anterior, de uma música calma. A partir dos aprox. 3 minutos de música, porém, notamos a experimentalidade do grupo, utilizando sons minimalistas, fazendo com que se crie um clima perfeito para se iniciar a próxima composição, a que fecha o álbum, a grandiosa homônima In The Court Of The Crimson King. Por incrível que pareça, essa música reúne certos aspectos de basicamente todas as músicas anteriores, e compõe o que será ouvido nos próximos álbuns do King Crimson e até de outras bandas progressivas, considerando esse álbum um dos pioneiros do rock progressivo.

Certamente um clássico do rock progressivo mas fugindo do cliché consagrado de Pink Floyd, por exemplo, esse álbum da banda inglesa é certamente um bom marco inicial para aqueles interessados no gênero.

King Crimson – In The Court of the Crimson King
Rating: 4,3 de 5 Tom Brady pipoqueiros

5 Comentários

Arquivado em King Crimson

5 Respostas para “Na Corte do Rei Vermelho

  1. Iran Ribas

    Agora sim esse blog ta saindo do lugar, PORRA!

    Meus parabéns, bixos faixaseis

  2. Victor Augusto

    Ei!!! a piadinha do Tom Brady foi mancada…
    vai ser assim então?

  3. Eduardo Romitelli

    HAHAHAHAH
    Sabia que o Victor ia perceber.

    Tive que mandar…
    Mancada foi o que o Patriots fez!
    Pela temporada que eles tiveram, mereciam a taça!
    Mas po…
    Chegou na final…
    Mas foi lindo o jogo.
    Apesar do placar relativamente baixo, foi bastante interessante.

    Oi Carina😀

  4. Igor Romitelli

    crimson = escarlate.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s