Bizarrices charmosas

Vire um livro. Caso sua sinopse for muito curta, pode desconfiar; seu enredo ou é profundo como Nietzsche ou ralo como canja de rodoviária. Tratando-se de Forever Odd, de Dean Koontz, o primeiro caso vale perfeitamente.

Seu ponto de partida é, a priori, um tanto reciclado. Odd Thomas é morador da pequena cidade de Pico Mundo e, muitas vezes à contragosto, torna-se o elo entre a realidade e os espíritos que aqui assombram. Ou seja, nada que prenderia um leitor de ocasião em uma livraria qualquer.

Não fosse, claro, o fato que não há muito mais que possa falar sem estragar esse charmoso novel.

Isso ocorre principalmente devido a narrativa, construída totalmente na primeira pessoa. Caracterizá-la apenas dessa forma, no entanto, é como tangenciar uma curva a 120km/h. Pois nesse caso protagonista e trama entranham-se em uma colorida simbiose, na qual a progressão do segundo elemento revela, concomitantemente, as características do primeiro. Da mesma forma, a personalidade excêntrica e amarga do personagem transborda sobre o enredo, transformando os menores detalhes em manifestações subjetivas. Ou seja, o aspecto mais delicioso de Forever Odd é lentamente destrinchar o obscuro narrador, exposto por suas referências literárias, metáforas filosóficas e seus próprios pensamentos.

Assim, o que poderia ser um simples livro de suspense é transmutado em algo muito mais rico e divertido. Thomas, ainda que quase sempre em perigo, não deixa seu sarcasmo de lado e perde antes a cabeça do que a piada.

Entretanto, nem tudo são flores. Um dos méritos do autor, na verdade, é dosar quase perfeitamente a história, um tanto fantástica, com fatos verossímeis. Sim, eu disse quase. Embora nada muito grave, há algumas passagens que descem quadradas como uma Itaipava. É válido também citar que o desfecho, mesmo sólido, deixa algumas pontas desnecessariamente soltas.

Suspense é seu gênero mas Dan Brown já deu no saco? Então Forever Odd, segundo livro da trilogia homônima ao protagonista, é uma ótima e mais inteligente alternativa. Só não esqueça o dicionário, pois aqui o inglês é um pouco mais complicado que em Harry Potter.

Dean Koontz – Forever Odd (2005)
Rating:
4 de 5 metros de franja emosa.


1 comentário

Arquivado em Livro

Uma resposta para “Bizarrices charmosas

  1. Iran Ribas

    SEU MERDA, SE FALAR NOVAMENTE MAL DA ITAIPAVA SEREI OBRIGADO A CHUTAR SUAS BOLAS ATÉ SAIREM PELA BOCA.

    IRAN RIBAS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s